Governo cubano decidiu se retirar do programa Mais Médicos nesta quart

14/11/2018

Veja a repercussão do anúncio da saída de Cuba do programa Mais Médicos

Por G1

14/11/2018 17h43 Atualizado saída de Cuba do programa Mais Médicos, nesta quarta-feira (14).

Jair Bolsonaro, presidente eleito

Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável!

13.7K people are talking about this

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, criticou a decisão de Cuba de sair do programa Mais Médicos. Pelo Twitter, ele se defendeu das acusações do governo cubano ao dizer que condicionou a continuidade do programa "a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias".

Também pelo Twitter, Bolsonaro acusou o governo cubano de "explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais". Segundo o presidente eleito, Cuba "restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares".

Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou.

Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos.

7,540 people are talking about this

Bolsonaro também falou sobre conceder asilo aos cubanos "que quiserem pedir asilo aqui". A declaração foi dada durante o anúncio do futuro ministro das Relações Exteriores, o diplomata de carreira Ernesto Araújo.

"Temos que dar o asilo às pessoas que queiram. Não podemos continuar ameaçando como foram ameaçadas no governo passado. [...] Se eu for presidente, o cubano que quiser pedir asilo aqui, vai ter", disse o presidente eleito aos jornalistas.

Ministério da Saúde

Em nota, o Ministério da Saúde confirmou ter recebido o comunicado da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) sobre o fim da parceria com o governo de Cuba nos Mais Médicos. A pasta disse que "reafirma e tranquiliza a população e adotará todas as medidas para que profissionais brasileiros estejam atendendo no programa de forma imediata".

Na mesma nota, o ministério também informou que vai abrir "um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos". O texto ainda diz que a prioridade da convocação será de médicos brasileiros formados no Brasil, seguida de brasileiros formados em outros países. Leia a íntegra da nota

O @minsaude reafirma e tranquiliza a população que adotará todas as medidas para que profissionais brasileiros estejam atendendo no programa de forma imediata. https://goo.gl/Py9JYR

See Ministério da Saúde's other Tweets

Alexandre Padilha, ministro da Saúde à época da criação do Mais Médicos


Embedded video

Cuba anuncia sua retirada do Programa Mais Médicos.
A saúde pública e o povo mais pobre perdem muito hoje.
É isso o que acontece quando se coloca o espírito da guerra e os interesses particulares acima das necessidades do nosso povo.

No Twitt

er, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha lamentou a decisão do governo cubano. "É isso o que acontece quando se coloca o espírito da guerra e os interesses particulares acima das necessidades do nosso povo", comentou.

Padilha disse, em vídeo, que a medida pode significar a saída de "dezenas de milhares de médicos que estão atendendo nos sertões, na Amazônia Brasileira, nas periferias das grandes cidades, nas áreas mais vulneráveis". O ex-ministro também atribuiu a decisão de Cuba à "ação despreparada e conflituosa" de Bolsonaro.

O povo mais necessitado dos rincões do nosso país será duramente atingido, infelizmente.

18 people are talking about this

Marco Akerman, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP




00:00/01:45

Especialista em saúde fala sobre prejuízos à população com a saída dos médicos cubanos

Especialista em saúde fala sobre prejuízos à população com a saída dos médicos cubanos

Em entrevista à GloboNews, o professor da Universidade de São Paulo (USP) Marco Akerman afirmou que a decisão de Cuba em deixar o Mais Médicos vai "prejudicar a população brasileira".

"Serão milhares de médicos que vão sair, e os governos municipais não vão ter condições de repor", alertou Akerman.

Segundo o especialista, a medida criará um "vazio assistencial no Brasil", pois os médicos cubanos, em alguns municípios, são os únicos que existem nas unidades básicas de saúde.

Akerman ponderou que tanto os governos de Brasil e Cuba como a Opas e outros conselhos devem se reunir para discutir "as melhores alternativas". "Eu acredito numa negociação republicana", disse o professor.

Yoani Sánchez, blogueira cubana dissidente

El gobierno de #Cuba da el portazo al programa ‘Mais Medicos’ en #Brasil. Jair Bolsonaro condicionó la permanencia del proyecto a que los galenos recibieran el total de su salario, entre otras medidas.. pero las autoridades del #Minsap no lo toleraron... http://ow.ly/dL4T30mClAm

159 people are talking about this

A blogueira cubana Yoani Sánchez, dissidente do governo do país, repercutiu a saída de Cuba do Mais Médicos em seu Twitter. "Jair Bolsonaro condicionou a permanência do projeto a que os médicos recebessem o total de seu salário, entre outras medidas... mas as autoridades do Minsap [Ministério da Saúde Pública de Cuba] não toleraram...", escreveu.

Conselho Federal de Medicina

Uma nota divulgada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) diz que "o Brasil conta com médicos brasileiros em número suficiente para atender às demandas da população". Segundo o texto, os médicos brasileiros "têm atuado, mesmo sob condições adversas, sempre em respeito ao seu compromisso com a sociedade".

O CFM também cobrou do governo, "nos diferentes níveis de gestão", que ofereça aos médicos brasileiros "infraestrutura de trabalho, apoio de equipe multidisciplinar, acesso a exames e a uma rede de referência para encaminhamento dos casos mais graves".

A autarquia ainda pediu a criação de uma carreira de Estado para o médico "para estimular a fixação dos médicos brasileiros em áreas distantes e de difícil provimento".

Marina Silva, candidata derrotada à Presidência

A visão de política externa do presidente eleito continua produzindo desentendimentos e efeitos negativos, mesmo antes de assumir efetivamente, vide os ruídos recentes com a China, Noruega, Mercosul e agora Cuba.

O anúncio da saída repentina do governo cubano do Programa Mais Médicos é preocupante. Pode agravar no curto prazo o atendimento à saúde, principalmente das populações indígenas, ribeirinhas e de quem vive nos pequenos municípios do interior e regiões isoladas do Brasil.

A candidata da Rede derrotada na eleição presidencial, Marina Silva, classificou como "preocupante" a saída de Cuba do Mais Médicos. "Pode agravar no curto prazo o atendimento à saúde, principalmente das populações indígenas, ribeirinhas e de quem vive nos pequenos municípios do interior e regiões isoladas do Brasil", tuitou.

Manuela D'Ávila, candidata derrotada à Vice-presidência

O fim da participação dos médicos cubanos no Mais Médicos é uma primeira tragédia da ideologização e da loucura persecutória contra a esquerda que está em curso em nosso país.

0 Comentários

Adicione um comentário

Aplicativos


 Locutor no Ar

Jesus é a Saída

Louvor Gospel

Peça Sua Música

Name:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

01.

Anderson freire

Raridade

02.

Bruna Karla

Advogado Fiel

03.

Aline Barros

Casa do pai

04.

GABRIELA ROCHA

LUGAR SECRETO

05.

HELOÍSA ROSA

PAZ

Anunciantes